Novembro 2021 | Educação Financeira

Por onde começar a educação financeira infantil?

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Falar sobre dinheiro com crianças não precisa ser difícil. Há muitas maneiras de introduzir o assunto no dia a dia dos pequenos. Quando a criança começa a se interessar pelo cofrinho, é um excelente momento para começar a educação financeira infantil. Assim, ela será capaz de lidar de forma saudável com o dinheiro.

A definição da educação financeira como uma das prioridades na educação infantil contribui para o crescimento, organização e uma maior autonomia da criança. Tudo isso evita problemas de endividamento no futuro.

Neste artigo, você vai encontrar dicas bem simples para serem praticadas com crianças de qualquer idade em conjunto com o mais importante, que é incorporar esses conceitos na rotina e nas conversas da família.

Dicas de educação financeira infantil

 

A primeira dica é utilizar jogos e livros infantis sobre o tema para introduzir, aos poucos, noções sobre como lidar com o dinheiro. Essa abordagem permite incluir também os bem pequenos.

Na literatura infantil, existem algumas obras que podem ser escolhidas para leitura antes de dormir. Entre elas, Almanaque Maluquinho – Pra que Dinheiro, do Ziraldo. Com certeza eles vão adorar!

Outra sugestão que não falha nunca é dar mesada para os filhos, que pode ser mensal ou semanal. A ideia é mostrar, na prática, que o dinheiro acaba à medida que eles compram coisas.

Apenas explicar verbalmente não faz com que as crianças entendam uma situação que não estão acostumadas a vivenciar. Mas se tiverem seu próprio recurso, conseguem perceber que ele é finito.

Você também pode estimular a criança a poupar dinheiro e ter seu próprio cofrinho. Leve a criança para escolher o que ela mais gosta. Quando der a mesada, ensine a destinar parte para as economias.

Com crianças que já sabem ler, você pode enriquecer o vocabulário com palavras do mundo das finanças como juros, crédito, débito, à vista e parcelado, sempre de forma lúdica e o mais didática possível.

As crianças mais velhas, inclusive, podem pagar contas junto com você. Nesse momento, mostre que existe uma data de vencimento e como fica mais caro se atrasar o pagamento. 

O que não fazer na educação financeira infantil?

 

Mesmo seguindo todas as dicas, você pode colocar tudo a perder na educação financeira infantil se cometer alguns erros bem comuns entre os pais. Então, tente evitar as seguintes situações:

- dar uma recompensa monetária porque foi bem na escola ou se comportou. As crianças precisam entender que possuem obrigações e que elas não são compradas com dinheiro;

- pagar uma parte da compra que a criança decidiu fazer com seu dinheiro se ele não for suficiente. Elas precisam aprender a escolher conforme sua capacidade de pagamento;

- dar um mau exemplo fazendo gastos desnecessários ou se endividando no cartão de crédito. Nada que você disser será mais eficiente que a sua atitude e exemplo em casa.

Uma coisa é fato: não existe receita de bolo na educação financeira infantil. Mas seguindo essas orientações, sem dúvida, sua criança estará no caminho de uma relação sustentável com o dinheiro.

E você? Já sabe organizar sua vida financeira? Navegue no Blog Bmg e fique por dentro das novidades do mercado financeiro, na prática.