Julho 2020 | Educação Financeira

Você sabe o que é e como funciona o cheque especial?

Tempo de leitura: 5 minutos

O cheque especial é a modalidade de crédito com maior taxa de juros do mercado. Mas nem todos os brasileiros sabem a importância de evitar usar esse tipo de recurso, e quando entram por este caminho acabam tendo muita dificuldade em sair. 

De acordo com um levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), dos 60 milhões de consumidores com dívidas em atraso, 52% se tornaram inadimplentes devido ao uso do cheque especial. Isso significa que, embora, a modalidade leve muitas pessoas às dívidas, o cheque especial ainda é muito buscada pelos brasileiros. Conheça, neste artigo, o que é o cheque especial e como funciona essa forma de crédito usada por bancos em todo o Brasil.

O que é o cheque especial?

De forma simplificada, o cheque especial é uma linha de crédito pré-aprovado que o banco oferece desde a abertura da conta corrente. É um valor disponível na conta, mesmo antes de depositar qualquer dinheiro. O banco oferece o cheque especial ou limite pré-aprovado de forma simplificada para o cliente que desejar sacar, mas cobra juros para o pagamento. 

Infelizmente, é muito comum que os brasileiros tenham dificuldades para pagar as contas mensais. Às vezes as contas básicas de água e luz chegam mais caras que o esperado ou acontece algum tipo de imprevisto. Nessa hora, o cheque especial parece ser uma boa opção para quitar dívidas.

Mas é preciso ter cuidado. Especialmente porque o pagamento do cheque especial é feito por meio do débito em conta. Assim, quando o salário cai na conta, o banco desconta o dinheiro do empréstimo com juros. Quando o titular da conta percebe o desconto, identifica também que o valor que sobrou não será suficiente para cobrir todos os gastos do mês, gerando uma bola de neve nas dívidas. 

Como funciona o cheque especial?

O cheque especial funciona como um “empréstimo automático”. Quando o correntista usa todo o saldo da sua conta, o banco empresta automaticamente um valor pré-aprovado para que ele possa continuar consumindo. O total do cheque especial disponível é diretamente vinculado com as informações do cliente, como renda mensal, histórico de movimentações e tempo de conta com a instituição, por exemplo. 

Apesar da semelhança com um empréstimo pessoal, o cheque especial é mais simplificado porque não precisa que o titular da conta solicite um empréstimo com contrato detalhado e taxas de juros. E, justamente, por não oferecer esse tipo de informação, acaba sendo uma verdadeira armadilha para quem não tem planejamento financeiro.

Os juros do cheque especial

De maneira geral, as taxas do cheque especial podem chegar a mais de 300% ao ano. Os juros da modalidade podem ser justificados porque esse é um crédito que o banco concede sem pedir qualquer garantia de que receberá de volta, diferentemente do que acontece com as outras modalidades. 

Confira o valor médio das principais taxas de juros em 2020, segundo o Banco Central:

  • Juros de 318,7% ao ano = Cheque especial
  • Juros de 300,3% ao ano = Rotativo do cartão de crédito 
  • Juros de 175,2% ao ano = Parcelamento do cartão de crédito 
  • Juros de 119,5% ao ano = Crédito pessoal
  • Juros de 22,5% ao ano = Crédito consignado 

Como fugir do cheque especial?

Em primeiro lugar é importante entender que o valor disponível na conta como cheque especial ou limite pré aprovado não é seu. Portanto, uma forma de não usar esse valor é simplesmente ignorá-lo. Outra maneira de não usar o valor do cheque especial é, quando a situação apertar, optar por outras modalidades de crédito, como o empréstimo consignado e os empréstimos com garantia, que apresentam as menores taxas do mercado.

No entanto, a melhor forma de não cair no cheque especial nem fazer outras dívidas para cobrir imprevistos é fazer uma reserva de emergência, isto é, guardar mensalmente um valor possível em seu orçamento para que, no momento em que a situação apertar, você não precise recorrer a nenhuma ajuda externa. 

Mudanças previstas para o cheque especial

Existe um projeto de lei em votação no Senado que tenta reduzir o teto de juros do cheque especial. A iniciativa propõe que a taxa de juros do cheque especial seja reduzida para 30% ao ano, e tem sido amplamente debatida enquanto aguarda votação. O Banco Central (BC) estima que essa mudança poupe R$ 7 bilhões dos bolsos dos brasileiros.