Janeiro 2021 | Open Banking

O que esperar do Open Banking?

Tempo de leitura: 2 minutos

Após a chegada do Pix, o novo sistema de pagamento do Banco Central (BC), o Open Banking passa a ser o próximo passo para a modernização do sistema financeiro no Brasil.


Como abordamos anteriormente, o objetivo do Open Banking é oferecer uma estrutura aberta, em que as informações financeiras sejam, de fato, posse dos consumidores, e estes autorizem o compartilhamento entre bancos e fintechs, em busca de melhores serviços e produtos.

De acordo com o BC, o Open Banking irá estimular a competitividade no mercado financeiro. A Instituição será responsável por definir regras como escopo mínimo de dados e serviços, requisitos e responsabilidades pelo compartilhamento de informações e cronograma de implementação do novo modelo de negócios financeiros. 

Previsões e cronogramas

O Open Banking teria suas primeiras configurações iniciadas no dia 30 de novembro de 2020, mas o BC adiou o projeto para 1º de fevereiro de 2021, e será desenvolvido em fases. Nessa primeira etapa, as instituições financeiras devem se cadastrar no diretório do Open Banking para terem acesso às IPs de integração. 

A segunda fase de implementação do Open Banking, que estará em vigor a partir do dia 15 de maio, será marcada pelo compartilhamento de dados dos clientes, mediante sua autorização.  

As transações de pagamentos devem começar a acontecer na terceira fase, prevista para o mês de agosto. A última etapa de implementação do projeto tem previsão para acontecer em dezembro, e será marcada pela expansão dos serviços.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, também anunciou recentemente que, a partir do mês de outubro deste ano, os bancos também irão disponibilizar uma plataforma de educação financeira. Essa ferramenta será desenvolvida em parceria com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e possibilitará que o cliente faça um diagnóstico de sua realidade financeira, além de oferecer cursos e programas de recompensas.